Valorização do tempo

Valorização do tempo

Escrevi sobre minimalismo no último texto para o blog e pesquisando um pouco mais noto que essa caminhada apenas começou! Tinha me proposto a permanecer apenas com 50 peças de roupa, mas descobri que era uma meta megalomaníaca que não conseguiria atingir agora.

Apesar de não conseguir desapegar de tanto quanto gostaria já foi um “destralhe” bem grande. Consegui tirar uma MALA de roupa e alguns objetos que não queria mais.

Nessa maratona, percebi que tinha muito mais coisas do que imaginava e que, se eu me desfizesse de 50 peças, já seria um grande feito!

Além disso, pude ver empiricamente que o minimalismo vai muito além de se desfazer das coisas. “Destralhar” a vida no sentido material, significa literalmente não se ocupar mais com o desnecessário.

Começamos por não perder tempo tirando o pó daquele objeto que não utilizamos e consequentemente deixamos de nos ocupar também com tarefas/eventos/pessoas e lugares que não combinam mais tanto com a nossa essência.

Quando ficamos com o necessário, otimizamos nosso tempo com o que verdadeiramente importa. Pensar em minimalismo é pensar que nosso “tempo” requer prioridades. Onde estamos aproveitando ele? Quais tarefas nos ocupam? Quais pessoas nos preocupam? Que lugares frequentamos?

É clichê, mas vamos lá: o tempo é sagrado. Significa que onde colocamos nossa presença, vale a pena despender energia. Mais do que isso, quando vamos atrás do que é saudável para nós e dizemos “não” para aquilo que não é.

Fazendo isso, ficamos bem mais dispostos. A vida nos devolve em dobro pelas renúncias que fizemos e as aceita como afirmações entusiasmadas de que estamos aprendendo a disfrutar melhor das experiências terrenas.

Ficamos com um gás de energia para buscas cada vez mais interessantes e que valem realmente a pena para nós. Morar na cidade ou na praia? Sair para correr ou assistir Netflix? Limpar a casa ou passear com o cachorro? Sair com os amigos ou ficar em casa? Trabalhar até mais tarde ou fazer yoga à noite?

O que te faria bem agora? O que renunciar? Não sei, depende do teu momento, do teu ânimo, do teu dia e do teu propósito. Não há julgamentos ou verdades absolutas, apenas uma parada em silêncio pode dizer… Destralhe!

Juliana Soeiro – Psicóloga Clínica CRP: 07/26220 TEL: 51. 981345357

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *