Mudança é progresso – Mulheres unidas em todas as nações

Mudança é progresso – Mulheres unidas em todas as nações

Ao longo de tantos mil anos podemos afirmar que a maioria das mudanças foram progresso para as nações e para a humanidade, basta ler alguns artigos ou livros de história. Muitas vezes a duras penas, com guerras, com sangue derramado, com revoluções e hoje mais do que nunca com a tecnologia que avança a cada minuto. É claro que não sou incoerente de esquecer que muitas destas guerras e revoluções foram verdadeiros horrores e grandes tragédias, mas não foram em vão.

Ainda que países como Arábia Saudita, Síria, Iraque entre outros tantos tenham seus direitos básicos limitados, acredito também que tenham muito para se desenvolver como humanidade, assim como nós aqui pelo Ocidente. Mas também é óbvio que já avançamos um poquito mais que os países citados, e é neste ponto que quero chegar. Há alguns anos houve uma nova revolução feminista, nós mulheres – em sua maioria mulheres da minha geração – nos levantamos e gritamos aos quatro ventos que não vamos mais tolerar determinadas atitudes, comportamentos, comentários e piadas.

A Copa do Mundo na Rússia lembrou a nós brasileiras que o machismo nosso de cada dia acontece em qualquer lugar e evento do planeta que habitamos, a terra. Contudo para mim e quero que fique claro para vocês também que não vamos mais aceitar estas atitudes, prova disto foi a repercussão dos vídeos contendo manifestações machistas de brasileiros com uma mulher russa – e saibam também que ela está sendo alvo de ódio e ofensas por parte de homens do seu próprio país. Houve também casos de jornalistas latino-americanas serem assediadas e agredidas enquanto trabalhavam na cobertura do evento, e tantas outras torcedoras que não vieram a tona.

Todos estes casos se tornaram públicos, estão sendo debatidos e compartilhados em sites e redes sociais, ou seja, nós não vamos mais nos calar, não vamos mais nos esconder e nem nos reprimir. E acredito muito que quanto mais unidas estivermos, quanto mais apoiarmos a dor uma da outra, quanto mais denunciarmos mais fortes ficamos para conseguir a mudança e o progresso que queremos, nada mais é do que respeito e igualdade entre os gêneros. A mudança é dolorida, é sempre um desafio e nós não vamos retroceder. Avante companheiras!

 

Por Lua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *