Sou feminista?

Sou feminista?

Quando algumas pessoas me perguntam se sou feminista, percebo certa expectativa no olhar, ávidas por uma resposta que diga que não pertenço a esse grupo de mulheres que não são entendidas justamente pelas pessoas desconhecerem o que de fato elas fizeram em prol da nossa categoria. Acredito que as pessoas estão ainda presas ao início do movimento, em que muitas mulheres tiveram que tomar atitudes radicais para que pudessem ser ouvidas, pois não conseguiam mais conviver com tanta injustiça e desigualdade entre homens e mulheres. Assim, foram à luta, levantaram bandeira e se expuseram, tornando-se assim pioneiras e abrindo portas a tantas outras que se juntaram com o passar do tempo. Apesar da luta e dos avanços conseguidos, hoje ainda impera um preconceito enorme em relação ao feminismo.

Ao responder à questão, procuro, antes de expressar o que sou, analisar bem a pessoa que me questionei, para saber se irei chocá-la ou decepcioná-la. Julgo importante esse movimento, que busca um mundo mais digno para nós, já que muitas mulheres não se percebem vivendo uma realidade de opressão que a inferioriza, pois a sociedade nos fez crer desde muito cedo que nossa função é apenas exercer a maternidade e nossa feminilidade.

Muitas questionam o porquê ser mãe se o desejo é de não ter filhos, o que acho plenamente natural e aceitável, visto que é melhor assim do que tê-los e abandoná-los à sorte do destino, apenas para sentir pertencer a uma cultura que idolatra a maternidade. Este e tantos outros fatos por si só podem ser um fato positivo ao feminismo, que libera a mulher de tantas obrigações oriundas de um sistema patriarcal que há muito tempo acentua as diferenças entre homens e mulheres, colocando-os a um patamar de excelência. Os homens desde jovens são educados a serem importantes, a exercerem a agressividade, mesmo que não tenham em sua índole esse dom, pois esse é o estereótipo do ser masculino, e não podem decepcionar o clã da família e a sociedade como um todo, correndo o risco de ser rotulado com diversos apelidos.

Poderia ficar aqui descrevendo tantas questões em relação ao feminismo, mas acho que não preciso justificar nem defender uma posição, apenas é importante perceber que sua inclusão em nossas vidas, mesmo na daquelas que a rejeitam e torcem o nariz quando se deparam com alguém que apoia a causa, nos tem beneficiado muito, em vários sentidos.

Volto outro dia a falar mais sobre esse tema, aos poucos vou te levando a pensar a respeito, procure observar os casais em sua volta, como essas mulheres são tratadas, de que forma são suas vidas. Enfim, acho que assim fica mais fácil você perceber o que quero dizer.

Ótima semana!!!

Rosane Machado

Mestranda em Estudo sobre as Mulheres, Gênero e Cidadania pela UAB de Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *