Corpos que vivem, sentem e se relacionam nas pinturas de Jade Marra

Corpos que vivem, sentem e se relacionam nas pinturas de Jade Marra

Descobri o trabalho da Jade Marra pelo Instagram, fiquei encantada pelas cores, pela textura, pelos corpos ali desenhados.  Fui buscar mais sobre a artista e encontrei uma entrevista dela super bacana para o Don’t Touch My Moleskine, que agora compartilho com vocês.

– Conta um pouco sobre você, sobre como você se encontrou na arte e o que você mais gosta de pintar?

Sou a Jade, tenho 25 anos e vivo em Belo Horizonte. Em 2014 comecei a cursar artes plásticas na Escola Guignard, onde iniciei meu contato com a pintura. No segundo semestre de 2015, tive o privilégio de receber uma bolsa de um ano do programa Ciências sem Fronteiras para estudar artes visuais na Alemanha, o que foi determinante no meu amadurecimento como artista. Durante esse período, pude me dedicar integralmente a experimentar e entender meu lugar na arte, e foi também quando desenvolvi a série “Toque”, que considero meu primeiro trabalho com maior consistência artística.

A experiência de distância e ausência que vivi durante esse período me colocou em contato com sentimentos muito intensos e com a possibilidade de incorporá-los no meu trabalho. Aprendi aí a encontrar nos meus afetos pessoais a potência do que eu quero criar.

– O que a arte representa na sua vida?

A arte, de um ponto de vista purista e ideal, representa a possibilidade de comunicação num plano sensível. A possibilidade de enxergar o mundo a partir da perspectiva do outro, de ter acesso a novas ideias e experiências. Por outro lado, a arte pode também representar um circuito extremamente restrito e elitista baseado em relações opressoras de poder.

– Como é ser mulher no seu meio?

Outro dia saiu o resultado de um edital ao qual eu estava concorrendo. Dos 9 selecionados, uma mulher. Existem camadas veladas de misoginia nas mais diversas esferas da arte, é vergonhoso. Precisamos estar atentas e conscientes e ajudarmos umas as outras a conquistar respeito e reconhecimento.

Fonte: Don’t Touch My Moleskine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *