O desejo proibido por libertação

O desejo proibido por libertação

Você já assistiu o seriado “As telefonistas?” A história se passa em 1920, quando as mulheres começam a ter desejo de se libertarem dos maridos ou parceiros, pois percebem que podem ser felizes sem que tenham que se submeter ao comando de homens algozes. Várias aspectos me chamaram a atenção nesse grupo de quatro telefonistas que mostram as dificuldades da época de se libertarem do estereótipo construído em torno do ser mulher, mas se destaca um casal vivido pela personagem Angeles, que retrata bem o motivo pelo qual luto por uma vida mais digna para nós mulheres. Seu marido no seriado exige que ela abandone o trabalho e se dedique somente ao lar e cuidado com a filha. Entretanto, Angeles vive uma fase maravilhosa no trabalho, com reconhecimento profissional, que a levou a adquirir um posto mais qualificado. A personagem inicialmente fica dividida, pois amava seu marido e a rotina que havia construída com ele e a filha. Suas colegas a fazem tomar uma decisão quando a veem preocupada por ter que deixar sua carreira, alertando-a que seu marido a traía com uma colega de trabalho. No primeiro momento, fica chocada com a revelação e condena as colegas, dizendo que queriam acabar com seu casamento. Porém, começa a refletir e percebe que algo realmente está acontecendo. Decide sair de casa com a filha e comunica a decisão ao esposo, que tomado de fúria a agride impiedosamente, deixando-a sem ação, caindo sobre o sofá a golpes de socos por todo seu corpo. Ao retornar ao trabalho, após perder um tempo se maquiando para esconder as marcas, é recebida pelas colegas, que percebem que algo havia ocorrido. De repente, percebem um sangue escorrer por suas pernas que logo a fez desfalecer. Havia tido um aborto, o que a fez sentir-se responsável por não ter feito nada para impedir. As amigas não a deixam ir para casa e consultam uma advogada, a primeira mulher a seguir essa profissão, que fica decepcionada com a revelação. A separação de um casal ocorria somente pela morte de um deles, por isso, caso fizesse a denúncia sem provas, poderia ser presa. Essa é uma realidade que ainda persiste, pois quando o homem percebe que a mulher está fugindo ao seu controle e descobrindo outras possibilidades, resolve acabar com sua vida. Uma realidade bastante cruel. Vale a pena conferir o seriado para entender a complexidade das relações.

Ótima semana!!!

Rosane Machado

Mestranda em Estudo sobre as Mulheres, Gênero e Cidadania pela UAB de Portugal.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *