Você se relacionaria com alguém que não gosta de animais?

Você se relacionaria com alguém que não gosta de animais?

Esses dias vi uma enquete em uma página sobre animais a seguinte pergunta: “VOCÊ SE RELACIONARIA COM ALGUÉM QUE NÃO GOSTA DE ANIMAIS?” Em média 95% das respostas diziam que não. O resultado parece bem óbvio para as pessoas que amam animais. Também amo e nem imagino minha vida sem eles. Entretanto vou contra a maioria e respondo que sim, ou seja, me relacionaria com alguém que pouco se importa com os animais. Ou melhor, conheci, me relacionei e casei. Aí é que está o xis da questão. Entre não gostar e maltratá-los há uma enorme distância. E às vezes há pessoas que nem sabem que gostam de animais. Parece estranho, mas são pessoas, na verdade, que nunca tiveram um contato próximo com os anjinhos de patas. Nem todos nascem no meio da bicharada e de uma família que logo cedo ensina a respeitá-los da forma que minha amada mãe me ensinou. Todo esse amor que tenho pelos bichinhos desde que me entendo por gente, devo a ela. Mas acredito que há muita gente de bom coração que ainda não se permitiu a essa experiência maravilhosa que é conviver com a turma de patas. É desafiador poder mostrar às pessoas que nunca se imaginaram interessadas por animais, o quanto amá-los pode nos tornar seres muito melhores. É fazer despertar naquela pessoa a sensibilidade adormecida que nem mesmo ela sabia que possuía. Na verdade esse dom natural é somente dessas criaturinhas inocentes. Elas que são capazes de tocar lá no fundinho do nosso coração. Elas que nos arrancam sorrisos, mesmo quando passamos por dias difíceis. Essas características são típicas da pureza de quem nos conquista com um ronronar ou um abanar de cauda. Foi exatamente o que ocorreu na minha vida. Casei com um homem que há anos nem imaginava o quão bom era receber um abraço sincero de um serzinho de patas. Nem sequer sabia que após um dia exaustivo de trabalho, poderia ser recebido em casa com muito carinho e fazê-lo se sentir verdadeiramente especial. Pessoas sensíveis a esse amor são aquelas capazes de se permitir. Elas até acham que não gostam, parecem ser duronas, porém nunca serão imunes ao amor. E como é gratificante poder transformar vidas humanas através dos animais, da mesma forma que a dos animais através dos humanos. Só não mostrei ao Diego como nossa vida pode ser muito melhor na companhia dos patudinhos, como também para os pais dele que hoje tratam os animais com muito respeito e dignidade. Eles adotaram cães de rua e também se envolvem na causa. Nunca é tarde para mudarmos. Sempre há tempo para sermos melhores. O amor verdadeiro pelos seres de patas é um caminho sem volta. E que caminho florido! Feliz de quem um dia se permite amar e ser amado por esses anjinhos. Se permita! Sempre! O amor está presente nos corações sensíveis e são os animais que desencadeiam esses sentimentos mais nobres em nós.

Marida Oliveira Bilhalva
Médica Veterinária
Vegana
Voluntária da Causa Animal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *