Fotógrafa brasileira capta um dia nos vários ciclos da vida de uma mulher

Fotógrafa brasileira capta um dia nos vários ciclos da vida de uma mulher

“Quero trazer imagens que saiam do bonito, que tragam um questionamento maior sobre a vida da mulher. Registrar as coisas que ninguém fotografa“. É assim que a fotógrafa Grazi Ventura define seu trabalho atual, o projeto fotográfico Ciclos do Feminino.

Grazi se formou em publicidade, mas já queria ser fotógrafa. Na época, ainda não havia curso superior na área e ela acabou tocando a carreira de publicitária mesmo, apesar de não se sentir realizada. “Teve uma época que eu ia chorando para o trabalho“, conta.

Passado esse momento, ela conseguiu um visto para viver no Canadá e se mandou para o país, onde engravidou e teve sua filha, hoje com 7 anos. Junto com o nascimento, veio também a percepção de que poderia trabalhar de maneira mais conectada com seu coração. “Sempre fotografei mulheres, algumas acabavam ficando grávidas, tendo filhos. Quando eu fui mãe essa veia desabrochou. Algumas famílias eu acompanho há 3, 4 anos…“, diz.

Mas foi só neste ano, quando assistia a uma palestra do também fotógrafo Renato DPaula, que ela decidiu transformar a paixão por fotografia documental em um projeto autoral. Assim surgia o Ciclos do Feminino, um projeto que pretende registrar cada um dos ciclos da vida de uma mulher durante um dia inteiro, da infância à maturidade.

Baseada na máxima de que a vida transcorre de 7 em 7 anos, ela pretende representar os ciclos da vida de uma mulher também dessa forma, registrando fotografias da infância, adolescência, casamento, gestação, maternidade, maturidade e terceira idade.

Serão 7 mulheres, 7 dias, 7 ciclos. Ou não. “A ideia era fotografar 7 ciclos da mulher, mas  eu acho que vão ser mais de 7. Acho que vão ser 8“, confessa ela. Por enquanto, dois destes ensaios já foram divulgados: o primeiro deles retrata a gravidez e o parto de uma amiga, com quem esteve durante 20 horas registrando o momento; o segundo mostra um dia na vida de Daniela Finotti e sua família com 7 filhos.

Para o Dia das Mulheres, a gente não quer presentes ou flores. Queremos respeito, pois somos muitas mulheres em uma só. Mães, filhas, amigas, esposas, trabalhadoras, empreendedoras e vencedoras.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *