Escolhas profissionais e angústia

Escolhas profissionais e angústia

Acho que todas nós já nos perguntamos se estamos seguindo o caminho certo e se ele faz parte da nossa essência. O poema por do sol do Pedro Bial nos diz que as pessoas mais interessantes que ele conhece aos 50 anos ainda não se descobriram.

Bom, podem ser as mais interessantes, mas será que elas estão felizes por ainda não terem descoberto? O trabalho está ligado a vender parte do nosso tempo quer a gente queira quer não e, ao mesmo tempo, a vida é única e devemos aproveitar. Então, como conciliar esses dois?

A resposta parece lógica: fazendo o que a gente gosta. Porém, esse clichê na prática é muito mais difícil: muitas vezes escolhemos o trabalho mais pela necessidade do que pelo interesse.

Fora isso, somos pessoas complexas de vários talentos e várias áreas de interesse. Sem mencionar que os interesses mudam o tempo todo e a gente também. Sendo assim, como vai existir uma só coisa no mundo que vai contemplar a nossa complexidade¿

Atrevo-me a dizer que não vai! O que fazemos com nosso tempo é sempre uma questão de prioridades e isso requer algum autoconhecimento. Depois de me formar psicóloga e de anos de terapia, pude perceber que além da psicologia, gosto de escrever, dançar, design, música, marketing, decoração, teatro, tarot, astrologia, arquitetura, yoga, turismo e por aí vai…

            É impossível contemplar todos esses interesses em uma coisa só! Olhando assim, fica claro que vamos ficar frustrados, saturados ou em algum momento entediados por mais que amemos determinada área. “Cada escolha uma renúncia”, será?

            No meu caso, aprendi a fazer um bom trabalho de psicologia, combinado com um bom trabalho de marketing pra poder curtir outros interesses nas horas vagas. Se esquecer desses outros talentos é deixar morrer uma parte importante de si. A gente não precisa se realizar ou se contentar com uma área só. A nossa alma não foi feita pra 8 ou 12 horas de trabalho no mesmo assunto.

Então, já que a vida não nos permite ser tão “plurais” dentro nossa carga horária, pelo menos a gente pode descobrir outras áreas de satisfação, experimentando outros dons no tempo livre. Quem sabe assim poderemos desfrutar melhor do nosso tempo livre e estaremos mais relaxados para o nosso trabalho oficial.  

Juliana W. Soeiro
Psicóloga – CRP 07/26220
(51) 989.864.043

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *