S.O.S. humanidade

S.O.S. humanidade

S.O.S. humanidade

Pensando ainda sobre as eleições municipais de muitas cidades do Brasil e nada satisfeita com os resultados, a eleição presidencial dos Estados Unidos me chegou como um soco, um pesadelo incluso de medo sobre o futuro do planeta. A intolerância ganhando vantagem e o capitalismo claramente mostrando que venceu, há tempos. Em contraponto, penso que se eu e mais milhares de pessoas estamos chocadas é porque existe luz no fim do túnel.

Não era exatamente sobre isso que eu vinha falar, mas sim comentar sobre um causo absurdo que veio ao meu conhecimento e que muito se encaixa nesta escuridão que parece estarmos vivendo. Não citarei nomes e nem marcas, mas preciso falar sobre o ocorrido porque isso me deixou muito agoniada e triste. Uma jovem mulher visualmente/obviamente doente – ela estava desaparecida, mas pelo que sei já foi encontrada, por isso acho melhor preservar seu nome – frequentava shoppings de Porto Alegre comendo muito e bebendo muitos litros de refrigerante – naqueles famosos 30min livre dos fast foods – após ingerir quantidades absurdas de alimento ela ia até o banheiro e passava mal, quando não passava mal pelos corredores do shopping na frente de todos que ali estavam.

Seu visual assustador – pois está muito magra – é claramente de uma pessoa debilitada, e seu comportamento é condizente com uma doença que se chama bulimia – estou longe de ser uma especialista, mas me parece que sim. O que me deixou MUITO indignada é NINGUÉM nos shoppings prestar socorro a esta mulher. Nem os seguranças, nem as faxineiras, nem os transeuntes, nem os gerentes dos estabelecimentos onde ela comia, nenhum funcionário de qualquer loja, nem a administração do próprio shopping. NINGUÉM se importou em ligar para alguém da família, assistência social, hospital, sei lá! E entre os citados acima o que me deixou muito revoltada foi os lugares que ela costumava comer continuarem a servindo, sabendo o que estava passando. Não houve uma intervenção por que ela estava consumindo? O dinheiro vale mais? Que valores realmente têm estas marcas? Estamos vivendo tempos difíceis, onde a intolerância e o ódio ganham mídia, onde a empatia e amor ao próximo passam longe, o que fizeram com a humanidade?

Por Lua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *